Como identificar a depressão na forma de raiva

Por

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter

Somos acostumados que alguns sentimentos que expressamos refletem exatamente as emoções que os originam. A tristeza, ou o ato de chorar, significa explicitamente tristeza. A felicidade só está presente em quem sorri. A raiva é sempre um sintoma de personalidade explosiva. Todas essas definições são muito rasas, ao passo que as mesmas são definidas mais pelos costumes e cultura do ambiente de criação, do que pelo significado real de cada tipo de emoção humana.

Aqui nós vamos tratar especificamente da depressão em formato de raiva, algo um pouco incomum, mas que pode ser um inimigo silencioso que pode impactar negativamente na vida de indivíduos.

Geralmente, a depressão manifestada através da raiva pode ser uma estratégia hipercompensatória para lidar com a tristeza ou frustração. Porém, um dos agravantes de um paciente que demonstra raiva ao invés de tristeza durante processos depressivos, é que os sentimentos de tristeza ficam mascarados, podendo confundir o diagnóstico adequado e, assim, retardar a abordagem devida do transtorno depressivo. Neste sentido é o tratamento psicoterápico auxilia o paciente a descobrir os caminhos mais adaptativos que levam o indivíduo a enfrentar seus sentimentos de forma mais adaptativa. O benefício da psicoterapia para o paciente é o autoconhecimento, que possibilita a regulação emocional. E, assim, buscar estratégias mais adequadas para lidar com as situações de vida.

Os prejuízos referentes a manifestação da depressão pela raiva podem ser identificados pelos comportamentos explosivos ou impulsivos. Os indivíduos podem se expor mais a riscos desnecessários motivado por sentimentos de vingança contra algo ou alguém, ou reativos a alguma frustração.

Esta agressão, como estratégia disfuncionais de regulação emocional, pode induzir as pessoas a apresentarem comportamentos aditivos, como o uso de substâncias psicoativas, que pode se estender também a outros tipos de comportamentos impulsivos sem o uso de substâncias, como uso abusivo da internet, atualmente, e do jogo. Estes comportamentos são constituídos progressivamente durante a vida do indivíduo, com o objetivo se superar a pressão do dia a dia e o enfrentamento das emoções negativas.
Portanto, seja um familiar, um amigo ou um paciente, preste sempre atenção em como a raiva está afetando aquele indivíduo, pois ele deve receber atenção e acolhimento o mais cedo possível. Lembrando que a Depressão é um quadro clínico composto por uma série de sinais e sintomas que vão além do humor identificado.

Para essa pessoa, será muito mais complicado se abrir, portanto, exige paciência e incentivo de quem está próximo, para que ela adote um tratamento adequado para a depressão. Os sinais nem sempre são óbvios, logo, a ajuda de um profissional de psicologia é essencial para realizar esse diagnóstico.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter