Depressão do Inverno

Por

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter

Além de reações orgânicas esperadas, as mudanças climáticas podem, sim, gerar alterações de humor de forma mais intensa em algumas pessoas. A estimativa é de que 10% da população exposta a inverno rigoroso desenvolva Transtorno Depressivo Maior com padrão sazonal, por isto, muito mais comum nos países do hemisfério norte. Apesar de rara no Brasil, por ser um país tropical, a depressão do inverno também existe aqui.

Alteração do sono, da energia e do apetite são reações que os indivíduos expostos a climas frios experimentam com a baixa temperatura. Estas manifestações são consideradas fisiológicas, ou seja, é adaptativo que as pessoas “poupem” energia no inverno pois o corpo gasta mais para conseguir manter a temperatura corporal adequada. No entanto, uma parcela da população sofre intensamente nos períodos de pouca luminosidade e frio rigoroso apresentando mudanças de humor e comportamento compatíveis com transtorno depressivo.

A depressão do inverno gera sintomas semelhantes aos da Depressão Maior, com algumas características específicas. Além da tristeza e diminuição de energia, o aumento de apetite, a fadiga e hipersonia marcam este quadro emocional. Umas das principais hipóteses sobre a depressão sazonal é de que há uma resposta neuroendócrina à diminuição de luminosidade gerando alteração na regulação do ciclo sono-vigília. Desta forma, a melatonina – hormônio que regula o sono e é produzido no período de escuridão – tem sua produção aumentada durante o inverno, causando maior sonolência. O oposto acontece com um dos neurotransmissores do humor – serotonina. Quanto menor a exposição à luz, menores os níveis de serotonina e maior a sensação de tristeza e irritabilidade.

É importante enfatizar que nem toda tristeza de inverno é depressão. O que define o diagnóstico do transtorno de humor com padrão sazonal é a sintomatologia intensa, prolongada, cíclica e recorrente dos episódios depressivos nesta estação do ano. Além disto, é fundamental que haja prejuízo sócio ocupacional para ser considerado um distúrbio psiquiátrico. O tratamento da depressão sazonal consiste em psicoterapia e, quando necessário, farmacoterapia combinada. Como um dos fatores associados a este quadro emocional é diminuição da luminosidade, uma das recomendações é o aumento da exposição a luz solar associado à higiene do sono e atividade física regular.

SAIBA MAIS

Alterações climáticas

Condição cíclica

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter
Fechar Menu