Blues Puerperal

Por

Compartilhe

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter

Transtornos emocionais relacionados ao puerpério têm sido foco de estudos há mais de um século. No entanto, nunca houve antes período em que a gestação e o pós-parto fossem tão discutidos, principalmente no meio não-científico. Por diversas razões, a maternidade e a díade mãe-bebê vêm passando por forte processo de idealização. A construção e o preparo para “o momento mais importante da vida da mulher” são estimulados, a todo instante, pelos meios de comunicação. Assim, quando a mulher se depara com a real delicadeza e ambivalência deste momento, pode surpreender-se com a dificuldade natural do desenvolvimento desta complexa relação.

Também conhecido como disforia puerperal ou tristeza materna, o baby blues, diferente da depressão pós parto, é considerado um quadro puerperal leve, porém extremamente frequente, acometendo até 80% das mulheres no período pós-parto. Geralmente, a instabilidade emocional (tristeza leve, ansiedade e choro fácil) inicia nos primeiros dias após nascimento do bebê, podendo permanecer até a 3º semana após o parto. A etiologia deste estado psicológico de intensa reatividade emocional é multifatorial. Alterações biológicas acontecem através de bruscas mudanças hormonais que geram labilidade afetiva, fazendo com que a mulher entre em conflito com sua sexualidade, imagem corporal e identidade feminina. Além disto, a privação de sono e o desgaste físico contribuem para o desenvolvimento do cansaço, do medo e da culpa. Desta forma, o blues puerperal faz a mulher-mãe ciclar entre a euforia do encantamento pelo bebê e a catastrofização da nova rotina.

No entanto, o que parece não ter fim, tem. O baby blues é passageiro, na significativa maioria das vezes, apresentando recuperação completa sem a necessidade de tratamento farmacológico (ao contrário da Depressão Pós Parto e da Psicose Puerperal).

A fundamental relevância de se identificar este quadro emocional é não patologizar uma reação natural da dupla mãe-bebê quando o curso após o nascimento não segue conforme o idealizado. Cabe ressaltar que, mesmo sendo considerada uma reação fisiológica, é de extrema importância fornecer cuidados durante este período. É preciso acolhimento, empatia, suporte físico e emocional para que a mãe consiga enfrentar este momento de maneira segura. O nascimento da mãe real inicia com a aceitação de que, mesmo num momento tão especial e bonito da vida da mulher, as emoções negativas podem estar presentes.

Referência: Transtornos Psiquiátricos no Pós-Parto. Amaury Cantilino; Carla Fonseca Zambaldi; Everton Botelho Sougey; Joel Rennó Jr

Compartilhe

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Fechar Menu